sábado, 18 de fevereiro de 2012

Em viagem

-Ainda não a vejo!.
-Talvez agora!
-Não! Só malas pretas.
-Ah.!! Lá vem, juntamente com a outra azul. Vê-se bem a cor clara entre as outras todas escuras.
-Ufff!! Otimo que não se extraviou mas, sabe-se lá, quantos tropeções deu, quantas vezes caiu ao chão, passada de mão em mão, de carro para carro Da última vez, andou perdida, sem norte, isto é, foi parar ao norte de África. Mas não a violaram nem maltrataram. Chegou intacta e completa nos seus segredos.

Tal como se tivesse feridas que precisassem de pensos, colam-lhe na pele rótulos dos locais que visita. Assim colorida é, talvez, mais fácil de localizar e mais rapidamente apanhada por quem pertence quando, entre as companheiras de viagem, anda girando no passeio rolante dos aeroportos por onde passeia

Dentro de si, aconchegados entre o que foi e o que volta, estão bocados desses mundos, lembranças de momentos únicos vividos entre gentes de outras cores, em longínquas terras de hábitos e costumes tão díspares.

Está mais escura a mala de viagem, pelo sol, pelo frio, pelo uso.

Quantas recordações ela guardará?



Com imagem da net, dissertações sobre uma mala de viagem para o PPP onde colaboro



4 comentários:

Justine disse...

Ainda não fui ao PpP, mas adorei o teu texto!!E vou dizer-to lá também:-))))))

Baby disse...

Como sempre, um texto perfeito, rico de conteúdo, a imagem perfeita da nossa companheira inseparável de todas as viagens!

Beijinhos.

elvira carvalho disse...

Excelente texto.
Um abraço

M. disse...

Não fazia ideia que aqui também havia uma mala a inspirar um texto. :-))