terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

Visita a Lisboa


Há demasiado tempo que não visitava Lisboa.
Cidade pequena se comparada com outras cidades europeias mas que possui algo tão especial e tão diferente:
a sua luz!
Lisboa tem para mim uma cor inconfundível. Quando atravesso a ponte 25 de Abril de sul para norte e, com as saudades que me invadem, olho para a esquerda, sinto que valeu a pena a viagem e vejo o Tejo dirigindo-se para o oceano, S.Julião da Barra, os veleiros já na baía de Cascais e sempre aquela luz inconfundível dando às aguas do Tejo o seu tom prateado que faz com que nos esqueçamos da outra cor que os rios têm de verde sujo.
À direita, mesmo ali perto, tão perto que tenho a sensação de lhes puder tocar se estendesse o braço fora do carro, posso ver as docas com os grandes paquetes e o sossego de um rio que até tem um “Mar da Palha”.Pelas encostas, as suas colinas, (são sete) e posso observar alguns dos seus monumentos que olham, para este rio que serve de moldura a esta linda cidade.
Da unidade hoteleira onde fiquei, no alto de Sta.Catarina, no Dafundo, deslumbro-me com a visão do Cristo Rei de braços abertos como que a acolher os lisboetas e ainda vejo os cacilheiros na sua faina de transportar gente de lá para cá e de cá para lá e também os mais modernos over-crafts.
Muito se tem dito, e escrito, e cantado sobre Lisboa e eu não sou ninguém para descrever toda a sua beleza. Não quero, no entanto, deixar em branco o encanto que sempre sinto quando a visito. Todos aqueles que a conhecem terão certamente, cada um à sua maneira e com a sua sensibilidade, sentido o seu coração bater mais forte quando regressam para a sua convivência, para o seu bulício e sentem todo o brilho que a sua luz irradia tão diferente das outras cidades.
Gosto de te visitar Lisboa, continuas a ser a minha cidade.


“A vida é leve e arrendada
Como esta réstea de espuma.
Toda a gente é séria e é boa!
Não existem homens maus!
Adeus, Tejo! Adeus, Lisboa!
Adeus, Ribeira das Naus!
Adeus! Adeus! Adeus! Adeus!”

ADEUS, LISBOA. De António Gedeão

8 comentários:

kuka disse...

Visto dessa perspectiva é assim. Do alto da ponte, da janela do hotel.Ó pior é quando fazemos "zoom" e nos aproximamos.

Judite Pitta disse...

Ainda bem que gostou da visita a Lisboa. Volte sempre e mais assiduamente, pois a cidade e os amigos agradecem e recebem-na sempre de braços abertos. é realmente linda esta cidade (mesmo fazendo "zoom" não a considero assim tão má. É o sentir que fazemos parte do seu sangue, das suas veias, das suas entranhas. (por mim falo, claro)

Espaço do João disse...

Lisboa Cidade minha .
És meu berço de embalar.
Ensina-me uma cantiga.
Das que tu sabes cantar...

Daria muito para pensar, quando Lisboa acordava ao som dos pregões,viam-se os moços de carga, os bagageiros de Santa Apolónia,os aguadeiros, enfim coisas de outros tempos. Muito embora não seja alfacinha , a minha juventude passou por essas bandas e com saudade recordo.

O Árabe disse...

Sabes, amiga? Aumentaste a minha vontade, de si já bem grande, de conhecer a linda Portugal de meu pai... :)

Graça Pires disse...

Lisboa é de facto uma cidade lindíssima! Um beijo.

Vieira Calado disse...

Olhe, amiga, eu nem sabia que havia esse Carnaval em Sagres.
Um beijinho

Baby disse...

Adoro as coisas que esta minha amiga escreve, ou será que adoro a maneira como ela as descreve? Lisboa ficou com mais encanto...e é realmente bom visitá-la, de vez em quando.
Quanto à minha janela, ela abriu para o coração de todos os amigos(as) de quem tinha tantas saudades.
Agradeço as palavras lindas e gentis.
Beijinhos.

Vieira Calado disse...

Olá, amiga!
Compartilho da sua paixão por Lisboa.
Infelizmente vou aí poucas vezes.
Foi aí que me iniciei nas letras, em 1961, quando publiquei o meu 1ª livro.
Boa semana para si.