quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Uma Benção





Foi longa a espera!
Meses, dias intermináveis, horas infinitas!
Precisava que me abraçasses, me envolvesses, me chegasses ao coração.
Sentir-te dos pés à cabeça!
E tu tardavas em chegar...
Tinha necessidade de te sentir, de me passear na tua companhia, de ouvir-te cantar.
Queria ver-te correr pela rua, na praia, no mar, pelas bermas da estrada.

Mas, eis enfim que chegaste, ainda um pouco medrosa, é certo, mas clara, transparente e vens só… desta vez.
De mansinho, suavemente, deixo que me invadas, que as minhas faces recebam o teu carinho feito de pequenas pérolas que a minha boca àvidamente acolhe.

Gota a gota saboreio-te.

Estremeço. Arrefeço e aqueço.

O meu corpo molhado é teu por alguns momentos.
Sinto-me reviver enquanto deslizas pelos meus cabelos como um ribeiro sobre os seixos do seu caminho.
Foi uma visita breve, eu sei, mas senti-te. Encheste as minhas mãos. Saboreei-te.

Pressinto que te vais embora de novo, mas encheste-me de alegria e, essa ausência, já não será tão longa, certamente.
Poderás chegar mais forte, talvez acompanhada com luz e barulho mas, sempre me encontrarás à tua espera, com os olhos cheios de ti.

Por agora, eu digo com as flores:

SÊ BEM VINDA CHUVA DE OUTONO!!!!

12 comentários:

elvira carvalho disse...

Um texto muito bonito. Parabéns.
Um abraço

VANUZA PANTALEÃO/OBRA LITERÁRIA disse...

Benó, que saudade!
Como é gostoso te encontrar nesse final de tarde...Tudo lindo por aqui!Bjs

Vieira Calado disse...

É verdade! Já todos tínhamos saudades.
Bjs

Graça Pires disse...

Excelente poema ao Outono com suas chuvas purificadoras...
Um beijo Amiga Benó.

VANUZA PANTALEÃO/OBRA LITERÁRIA disse...

Chuva de outono é um fenômeno maravilhoso da natureza, me amarro demais!
Benó, seu espaço é lindo e que Deus o conserve!!!Bjssss

Joana disse...

O cheirinho a terra molhada.... hummmm... que maraviha :)

Muito bonito este texto :)

Beijooo
Até já!**

Joana Moça

elvira carvalho disse...

Passei para deixar um abraço e desejar um bom fim de semana.

Espaço do João disse...

A chuva de outono é tão benfazeja como o sol de outono. As lágrimas caídas do firmamento são como raios de luz. As terras ressequidas agradecem, no entanto o sol vai fertilizá-la, dando lugar a lindos prados e belas pastagens. É certo que muitas das vezes causam bastantes prejuízos, mas a maior parte deles são motivados pela incompetência do ser humano. O seu texto veio mesmo na hora H. Bem me lembro do Arquitecto Ribeiro Teles quando das inundações em Lisboa, estamos a tapar tudo o que é terreno e esquecêmo-nos dos escoamentos.

Baby disse...

Para a eterna mulher romântica de todas as estações do ano uma palavra de admiração

Por isso, pelo mérito e amizade tomo a liberdade de repassar o “SELO PRÉMIO DARDOS” e convidar-te a continuar a caminhada.
Para mais pormenores visita a página BARLAVENTO

Baby disse...

À querida Benó eu ofereço o Prémio Dardos que ela merece como ninguém.
Para mais pormenores visita a página BARLAVENTO

Justine disse...

Como uma flor aberta, o teu hino à chuva de Outono. Que nos ajuda a passear até à nova estação.
Fresca e lavada!

Ana Oliveira disse...

Benó
Mesmo atrasada (por falta de tempo) ´não quero deixar de lhe dizer que este texto é lindo e me reflecte pelo prazer que tenho em andar à chuva, em sentir a chuva, em gostar do Outono.

Beijos

Ana