quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

O VESTIDO AZUL



imagem da net

Como num RENASCER da sua própria infância, a mãe tinha-lhe comprado um vestido NOVO. Era azul, da cor dos seus olhos, com saia pregueada e mangas de balão.
A menina sentiu aquela oferta maternal como uma DÁDIVA do céu. Apesar de ainda pequena na idade, era crescida no entender e sabia que havia dificuldades em casa e aquela despesa de luxo, certamente, tinha exigido muito sacrifício dos seus pais.
Apesar disso, também era feminina e sentia-se muito feliz e contente por estrear um vestido. E tão lindo que ele era!
No seu pequenino coração, estes sentimentos obrigavam-na a andar num SALSIFRÉ inquieto até chegar a hora de o vestir e poder mostrá-lo à avó que morava na rua de trás.
O céu estava LIMPIDO e ela iria, numa corrida, ouvir aquela FÁBULA da raposa e do corvo escrita no livro grande, guardado com PAIXÃO no armário da sala onde ela, na sua pequenez, ainda não alcançava.
A mãe recomendara-lhe, de dedo no ar e com SINGULAR veemência, para não se demorar no caminho e nem pensar sujar o vestido.
O trajecto era curto, é verdade, mas um SUPREMO desejo de correr e saltar por cima daquele ESCAGANIFOBÉTICO monte de terra colocado estrategicamente no seu percurso, fê-la esquecer o seu QUERER de obedecer ao pedido da mãe.
Como um AUTENTICO barco à deriva, sem rei nem roque, salta aqui, pula acolá, ei-la que tropeça e fica estatelada, mesmo em cima do monte de terra vermelha, propositadamente, ali colocado no seu caminho.
A saia do vestido azul, como a cor dos seus olhos, tornou-se castanha, como os olhos de sua mãe.
Meu Deus… e agora??
Ia ouvir sermão e missa cantada pela certa e o seu coração pequenino começou a bater mais rápido.
Chegada a casa da avó mostrou, chorosa, o resultado do seu acidente e como certamente a mãe lhe iria ralhar.
Que se poderia fazer para remediar o infortúnio e o vestido voltar a ser azul?
E a avó, no seu saber feito de experiências de muitos anos com acidentes iguais, tratou do vestido da menina e deu-lhe a sua primitiva cor evitando que houvesse ralhetes e, talvez, umas boas palmadas pela desobediência.
esta foi a minha participação no 10ºjogo das 12 palavras.
mais textos poderão ser lidos aqui

7 comentários:

Graça Pires disse...

Um excelente conto a demonstrar como domina bem as palavras e os afectos... Um beijo, amiga Benó.

elvira carvalho disse...

E mais uma vez saíu-se muito bem.
Adorei a história.
Um abraço

Justine disse...

Saber contar, acrescido de muita ternura, fazem com que o teu texto seja lido com imenso prazer!Parabéns:))

Baby disse...

Concordo com a Graça Pires, é realmente de artista, a maneira como escreve belas histórias, ainda que tenha que obedecer a "palavras mandadas"...
Ando sempre a prometer que um dia vou experimentar!

Um beijinho.

Judite Pitta disse...

É impressionante como com palavras obrigatórias conseguiste transcrever uma história com o seu quê de verídico, passadas que são algumas décadas... Parabéns mana és um prodígio! Pena é que te fiques só pelos blogs e não te atrevas a voos mais altos.

O Árabe disse...

Mais uma bela participação, Benó! Dá gosto ler o que escreves. :) Bom fim de semana.

anareis disse...

Estou fazendo uma campanha de doações para criar uma minibiblioteca comunitaria na minha comunidade carente aqui no Rio de Janeiro,preciso da ajuda de todos.Doações no Banco do brasil agencia 3082-1 conta 9.799-3 Que DEUS abençõe todos nos.Meu e-mail asilvareis10@gmail.com