quarta-feira, 18 de março de 2009

NADA

Sou sonho, quimera

Onda que se desfaz em espuma

Bola de sabão colorida.

Sou nuvem ao sabor do vento

Arco iris após a chuva.

NADA


9 comentários:

Justine disse...

Somos todos, não é? Feitos de efemeridade e tão precários...
Mas há dias em que somos mais que noutros

Jorge Vieira Cardoso disse...

Dia Mundial Da Poesia

“Dúvidas de Fronteira”

Quem sou aqui neste palco onde se debatem palavras?
Quem sou nesta cidade onde a temperatura oscila vocabulários de rosas?
Quem sou eu nesta primavera contrafeita de vontades eufóricas?
Serei o poeta que nas dunas silencia o sol à espera da lua?!
Ou serei tão-somente o enxame de mil abelhas domesticando as frases?!

beijo terno...

Espaço do João disse...

Será que quando sonho sou poeta? Não! Não sou poeta, mas sou um sonhador que se desfaz na bruma espumosa das ondas. Ando a navegar há tanto tempoe,ainda não encontrei o porto dos meus sonhos, quando aportar serei o poeta sonhador.

Graça Pires disse...

Em nossa vida tudo é breve e precário. O poema é muito significativo... Um beijo, amiga Benó.

livia soares disse...

Ficou bem interessante o poema.
E combinou com a música que começa a tocar quando a gente chega.
Um abraço.

bettips disse...

Mas o mar é sempre TANTO! Sempre igual, sempre diferente... e por isso te inspira.
Bjinho

O Árabe disse...

Nada? Seremos tudo, amiga, enquanto nos animar o sentir! :) Boa semana, fica bem.

elvira carvalho disse...

Passei só para deixar um abraço, já que o tempo e disposição não me permitem mais.

Ana Oliveira disse...

Ola Beno

Ser quimera, onda, bola de sabao, nuvem e arco-iris...
Ser tudo o que se pode ser de melhor...sendo nada!!!

Beijos

Ana