sexta-feira, 17 de abril de 2009

A Redondinha




Foram uns dias alucinantes.


Corre daqui, corre por ali, chutada, pontapeada, atirada ao ar, cabeçeada, afagada e pisada.
Eram oito pés a me maltratarem, às vezes mais. Perdi a noção qual o lado dos ganhadores pois, pertencia a todos e, não pertencia a nenhum. Todos me queriam e todos me chutavam ora na relva ora no empedrado.
Redondinha, bem cheia, tenho outras manas com outros tamanhos mas igualmente bem redondinhas e cheiinhas, mas que normalmente estão em descanso enquanto eu, coitada, ando num virote.Às vezes atiram-me para onde não devem e causo sofrimento, sem ter culpa.


Dentro do caixote onde nos arrumam, ao fim do dia, ainda há uma prima, um pouco afastada, que não é redonda, digamos que tem o formato de um ovo. Essa não é tão maltratada como eu, pois agarram-na, apertam-na junto ao peito e, depois, correm com ela para a lançarem fora, para o alto, como se ela, coitada, tivesse fogo e queimasse.
Mas, agora, ao fim destes dias, eis-me, enfim, esquecida, atirada por acaso para este tapete verde onde posso, enfim, gozar sossegada, o prazer de uma réstea de sol, pelo menos, até repararem em mim e me arrumarem junto às outras por mais algum tempo.

4 comentários:

Justine disse...

Adorável, o teu relato! E que divertido, o ponto de vista da bola:))
Fizeste-me sorrir, o que é uma benção. Obrigada!

Graça Pires disse...

Belas fotografias. Um texto cheio de ternura.
Beijos.

Baby disse...

Não acredito que essa bola redonda se queixe...ser querida, usada, pontapeada por esses quatro moços, cheios de sangue na guelra, deve fazê-la sentir-se útil, indispensável, vaidosa até...perantes essas outras mais pequeninas, ou ovais, que estiolam dentro da caixa, sofrendo porque ninguém as quer...
Adorei as fotos!

Beijos.

bettips disse...

Cenários da mais pura Felicidade.
Parabéns por eles e pelo espaço verde.
Bjinho