quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

ATÉ 2010!


A febre subira e os delírios começaram.
Toalhas molhadas na testa para que aquela maldita temperatura não queimasse os miolos embora estivessem bem resguardados naquela cabeça dura, era a mezinha aplicada.
Horas a fio naquele tormento de põe e tira os panos gelados.
Que chatice aquele estado pré-gripal que o punha meio sonso e sem forças para sair da cama.
Precisava tanto de se levantar! Queria estar apresentável e mostrar à avó que afinal valera a pena ter confiado nele.
Mas a febre teimava em não o largar..
Talvez um chá bem quente com uma colher de mel e um cálice de aguardente dentro fosse o remédio indicado.
Mas não!
O álcool, esse inimigo que o derrubara mais que a febre estava proibido sob qualquer pretexto.
Era preciso mostrar à avó que valera a pena o sacrifício das saudades e que a fé dela tinha sido importante para vencer aquele monstro que tanto o tinha castigado.
Tinha sido longo o caminho para o vencer mas, agora, já liberto, sentia-se renascer, viver de novo e até arranjara uma amiga que lhe mostrou caminhos diferentes daqueles que até ali ele trilhara.
Ah! Se a febre desaparecesse!!!!

Estaria a sonhar?
A mão calejada daquela que o vira nascer, aquela mesma mão que o sabia castigar mas que também sabia afagar-lhe os caracóis que ainda conservava estava a pôr-lhe mais uma compressa gelada e a dizer-lhe, como sempre o fazia quando a cama o retinha para além do que ela considerava normal: Levanta-te que o Menino Jesus esteve por cá.

Não era preciso ser Natal para receber um rebuçado, uma moeda preta ou um pratinho de arroz doce. Bastava que a avó quisesse, e, ali estava ela para mais uma vez fazer o Natal acontecer mesmo num qualquer dia do ano.
Para todos os que me leram neste ano que acaba, os meus desejos de que continuem a acompanhar-me com os vossos sinceros comentários.

11 comentários:

Maria Bettencourt Lemos disse...

Querida Benó, olá!

Deixo-lhe um grande abraço e desejo-lhe um 2010 especial e particularmente feliz!

Maria Lemos

O Árabe disse...

Feliz 2010, minha amiga; que, nele, o Natal aconteça em todos os dias do ano! :)

Bichodeconta disse...

Felizes sejam todos os dias, estava presa ao texto.Mão de avó ou de mãe tem essa magia. Lugar encantado, voltarei aqui sempre que possivel e a porta esteja aberta.Ao partir levo no coração mais um amigo/a, e levo a certeza de que juntos poderiamos derrubar todas as barreiras e fronteiraz .Paz ~e amor neste novo ano que se apresenta vestido de sol.Beijinho, Ell

Justine disse...

Que sensível história de Natal e de avós/netos, Benó! És tu inteira:)))
Um BOM ANO NOVO, que seja realmente novo!

Maria Bettencourt Lemos disse...

Feliz Ano Novo , Benó!

Um grande abraço,
Maria Lemos

Ana Paula disse...

Feliz 2010, e aqui tão perto estamos nós.
Assim atrevo-me a pedir-lhe ajuda para dar-me ideias para eu construir um blogue que divulgue coisas interessantes do nosso concelho. Pode ser?

Beijinho

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA BENÓ, ADOREI A TUA VISITA... DESEJO-TE MUITAS FELICIDADES NESTE 2010.... UMA BOA SEMANA... ABRAÇOS DE AMIZADE,
FERNANDINHA

Fernanda disse...

Olá,
passei para desejar um 2010 cheio de sucesso.
Bjos.

MagyMay disse...

Benó,
Estive neste teu blogue, li este post e deslizei o texto pelos seguintes... "preenchi" um pedacinho do meu coração... como gostei!
Obrigado, um beijo

Graça Pires disse...

Um texto muito comovente, amiga Benó.
Um bom ano para si.
Beijos.

Baby disse...

E a febre cedeu aos cuidados da avó estremada e o menino voltou a correr e a saltar e a ser feliz por inteiro.

Votos de um bom Ano!

beijos.